O primeiro contato com literatura erótica a gente nunca esquece -v-

Titulo polêmico, não? Desculpa a ousadia, mas é uma verdade sobre nós! Estava conversando com uma amiga ontem sobre o quanto a gente evolui com o tempo em muitas coisas, mas principalmente na maturidade em ver o erotismo. Por exemplo, quando eu era mais nova eu não conseguia escrever hentai, não conseguia conversar sobre certos assuntos e morria de vergonha de falar sobre isso. Hoje, apesar de eu ser ainda tímida, já encaro uma cena de sexo mais tranquilamente e até acho engraçado o modo super exagerado que isso é mostrado as vezes (claro que isso é um exemplo focado em mim e tem variações). A questão veio quando tocamos na pergunta “quando você leu algo erótico pela primeira vez?” e foi inacreditável como nós sabíamos na ponta da língua a resposta.

Isso não faz de nós ninfomaníacas por sexo e blábláblá, acontece que somos seres humanos e temos curiosidade sobre o que é desconhecido (não importa o que seja), então é um marco muito grande para nossas vidas e algo necessário para o nosso amadurecimento. Fiquei remoendo meus cadernos antigos para achar os dois poemas que me introduziram o erotismo e quando achei tirei fotinhas para compartilhar aqui! Fiquei tão feliz de saber que ainda os tenho guardados… Foi no primeiro ano do ensino médio, não sei se foi cedo demais ou ousado demais, só sei que foi importante para construir um amadurecimento muito forte, além de entender mais claramente o que está explicito e implícito em muitos livros, fotos etc. Isso reflete muito nas minhas fanfics hoje em dia, ao qual me sinto mais a vontade em escrever sobre de um modo mais poético, brincar com as palavras.

Os dois poemasWhatsApp Image 2017-03-09 at 17.10.56 são do Carlos Drummond de Andrade.

O primeiro em si se chama A Língua Lambe:

A língua lambe

A língua lambe as pétalas vermelhas
da rosa pluriaberta; a língua lavra
certo oculto botão, e vai tecendo
lépidas variações de leves ritmos.

E lambe, lambilonga, lambilenta,
a licorina gruta cabeluda,
e, quanto mais lambente, mais ativa,
atinge o céu do céu, entre gemidos,
entre gritos, balidos e rugidos
de leões na floresta, enfurecidos.

O segundo se chama Para O Sexo A Expirar:

WhatsApp Image 2017-03-09 at 17.11.18Para o Sexo a Expirar

Para o sexo a expirar, eu me volto, expirante.
Raiz de minha vida, em ti me enredo e afundo.
Amor, amor, amor – o braseiro radiante
que me dá, pelo orgasmo, a explicação do mundo.

Pobre carne senil, vibrando insatisfeita,
a minha se rebela ante a morte anunciada.
Quero sempre invadir essa vereda estreita
onde o gozo maior me propicia a amada.

Amanhã, nunca mais. Hoje mesmo, quem sabe?
enregela-se o nervo, esvai-se-me o prazer
antes que, deliciosa, a exploração acabe.

Pois que o espasmo coroe o instante do meu termo,
e assim possa eu partir, em plenitude o ser,
de sêmen aljofrando o irreparável ermo.

Depois disso eu fiquei mais madura para todo tipo de literatura, comecei a perceber que todo tipo de literatura é válida, não importa se for literatura adulta ou infantil, se você gosta tá valendo! Enfim, só queria compartilhar algo que me marcou muito e passei a recordar um dia desses…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s